Era uma vez...

E como encontraram
Tal qual encontrei
Assim me contaram
Assim vos contei...

28 de fevereiro de 2013

 
"Lembre-se, se você me sentir em seu coração, então vou com você. Aonde quer que você vá, vou com você - e sem passagem, pois ainda não descobriram uma maneira de saber se uma pessoa está viajando com alguém escondido no coração."
Osho
 
"Não se lamente. O que se perde retorna de outra forma."

- Rumi
 
“ O homem se esqueceu de que todos os deuses ainda 
moram no seu coração.”
William Blake

26 de fevereiro de 2013

Aprendizado

fotografeumaideia_16.jpg

"Como foi que você aprendeu tanto, Mullá ?", perguntaram certa vez a Nasrudin.
"Falando muito", respondeu ele.
"Vou colocando em sequência todas as palavras que me ocorram. Quando eu fico interessante, posso ver o respeito no rosto das outras pessoas. Na hora em que isso acontece, começo a tomar nota mentalmente do que disse".
 
“ Os arquétipos são como os leitos dos rios, que secam quando a água
deles se esvai e renascem quando o rio a eles volta novamente. Pode-
mos assemelhar um arquétipo a um córrego antigo, em que a água da
vida fluiu durante séculos, cavando um profundo canal e a ele voltando,
mais cedo ou mais tarde, dependendo da intensidade do seu fluxo.”
C. G. Jung — “Wotan” (citado por Edred Thorsson)

Eu sou um farol...


Quem aqui chega, não chega para passar as férias, porque aqui o mar é bravo e a natureza é selvagem...
Quem chega são os náufragos, perdidos no oceano da vida..., a beira da morte e do desespero...Chegam cansados, sedentos de amor, guiados pela luz...
Aqui, nestas areias quentes, engordam, descansam, revitalizam-se...Passeando por estas praias encontram tesouros escondidos dentro de cavernas antigas e misteriosas...Aprendem...Se fortalecem...
Protegidos pelos céus noturnos ponteado de estrelas, encontram a voz de sua própria alma...
Consertam seus navios e vão embora....E jamais esquecem o que receberam aqui...E pensam que um dia, talvez..., voltem...
 

25 de fevereiro de 2013

 
"se deixou levar por sua convicção de que os seres 
humanos não nascem para sempre no dia em que as mães os dão à luz, 
e sim que a vida os obriga outra vez e muitas vezes a se parirem a si mesmos."
O amor nos tempos do cólera - 
Gabriel Garcia Marques

22 de fevereiro de 2013


Aprenda a escutar – escutar significa que você está aberto, vulnerável, 
receptivo, mas não está pensando de jeito nenhum. 
Pensar é uma ação positiva. Escutar é passivo: 
você se torna como um vale e recebe; você se torna como 
um útero e você recebe. 
Se puder escutar, então a natureza fala – mas isso não será uma linguagem. 
A natureza não usa palavras. Então o que ela usa? Heráclito diz que são sinais. Você encontra uma flor: que sinal é esse? Ela nada está dizendo – mas você pode realmente afirmar que ela não está dizendo coisa alguma? 
Ela está dizendo muito, só não está utilizando palavras: 
é uma mensagem sem palavras.
Para ouvir o inexprimível você terá que abandonar as palavras, 
pois só o semelhante pode ouvir aquele que lhe é semelhante, 
apenas os semelhantes podem se relacionar.
Diante de uma flor, não seja uma pessoa, seja uma flor. 
Ao lado de uma árvore, não seja uma pessoa, seja uma árvore. 
Tomando banho em um rio, não seja humano, seja um rio. 
E assim milhões de sinais lhe serão dados. 
E isso não é uma comunicação – é uma comunhão. 
Assim a natureza fala, fala em milhares de línguas, 
mas não numa linguagem.
( Osho)

Osho


No momento em que você descansa, na hora que relaxa, você sabe que a existência já está em movimento, buscando algo maior, picos mais altos. E você é parte disso. Não precisa ter ambições distintas.
Isso é relaxamento: descansar, deixar de lado todos os objetivos pessoais, deixar de lado a mente que deseja alcançar metas, todas as projeções do ego. E assim a vida torna-se um mistério. Seus olhos ficarão maravilhados, seu coração pleno de admiração. Não iremos nos tornar algo – nós já somos algo. Essa é a essência da mensagem daqueles que despertaram: que você não tem que alcançar coisa alguma, isso já lhe foi dado. É o presente de Deus. Você já está onde deveria estar, nem poderia ser diferente, você não pode estar em algum outro lugar. Não há nenhum lugar onde ir, nada para alcançar. E como não há nenhum lugar para ir e nada a ser realizado, você pode celebrar. Assim não há pressa, não há preocupação, nem ansiedade, nem angústia, nem medo de fracassar. Você não pode fracassar. Pela própria natureza das coisas é impossível fracassar, porque não existe a questão de ter sucesso.

"[...]tenho cabelo despenteado porque, 
quando Mrs. Constable me disse para o pentear, 
havia uma mosca numa teia de aranha, 
e dei comigo a perguntar: Deverei soltar a mosca? 
Deverei deixá-la ser comida?. 
É por isso que ando sempre atrasado. 
Tenho o cabelo despenteado e estes pauzinhos prenderam-se nele."
(Virginia Woolf)

21 de fevereiro de 2013

Tagore

 

“Estou em busca de Deus. 
Conheço sua morada, então evito passar por perto e 
procuro em todos os outros lugares. 
Há uma grande excitação, um grande desafio, e 
em minha busca continuo a existir. Deus é um perigo – eu seria aniquilado. 
Mas agora não tenho mais medo nem de Deus, pois sei onde ele mora. 
Então, deixando sua casa de lado, posso continuar procurando por ele em todo o universo. Lá no fundo sei que não é Deus que busco. 
Minha busca serve para alimentar meu ego.”
Rabindranath Tagore

A Casa de Hospedes - Rumi

tree house haunted image

O ser humano é uma casa de hóspedes.
Toda manhã uma nova chegada.
A alegria, a depressão, a falta de sentido, como visitantes inesperados.
Receba e entretenha a todos
Mesmo que seja uma multidão de dores
Que violentamente varrem sua casa e tira seus móveis.
Ainda assim trate seus hóspedes honradamente.
Eles podem estar te limpando
para um novo prazer.
O pensamento escuro, a vergonha, a malícia,
encontre-os à porta rindo.
Agradeça a quem vem,
porque cada um foi enviado
como um guardião do além.
Rumi

17 de fevereiro de 2013


(...) Eu te compreendo, e te compreendo mesmo. E apesar de

compreender-te totalmente, quero dizer-te algo muito importante. Escuta agora
com o coração o que te vou dizer: Eu te Compreendo, mas não te apóio! Tu és o
único responsável por todos estes sentimentos. A vida te foi dada de graça e
existem em ti remédios para todos os teus males. Se, no entanto, preferes a
autocomiseração ao invés de mobilizares as tuas energias interiores, então nada
posso te oferecer. Se preferes sonhar com um mundo perfeito, ao invés de te
defrontares com os limites de um mundo falho e humano, nada posso te oferecer.
Se preferes lamentar o teu passado e encontrar nele desculpas para a tua falta
de vontade de crescer; se optastes por tentar controlar o futuro, o que jamais
controlarás com todas as suas incertezas; se resolveste responsabilizar as
pessoas que te rodeiam pela tua incompetência em tratar com os aspectos
negativos delas, em nada posso te ajudar. Se trocaste o auto-apoio pelo apoio e
reconhecimento do teu ambiente, então nada posso te oferecer. Se queres ter
razão em tudo que pensas; se queres obter piedade pelo que sentes; se queres a
aprovação integral em tudo que fazes; se escolhestes abrir mão de tua própria
vida, em nome do falso amor, para comprares o reconhecimento dos outros,
através de renúncias e sacrifícios, nada posso te oferecer. Se entendeste mal a
regra máxima ‘Amar ao próximo como a ti mesmo’, esquecendo-te de amar a ti
mesmo, em nada posso te ajudar. (...)


Autor: Antônio Roberto Soares, FRC (da Série Desenvolvimento

Comportamental - Ordem Rosacruz AMORC)



Toda a maldade é fraqueza.
John Milton

"Aprendo com abelhas que com aeroplanos.
É um olhar para baixo que eu nasci tendo.
É um olhar para o ser menor, para o
insignificante que eu me criei tendo.
O ser que na sociedade é chutado como uma
barata – cresce de importância para o meu
olho.
Ainda não entendi por que herdei esse olhar
para baixo.
Sempre imagino que venha de ancestralidades
machucadas.
Fui criado no mato e aprendi a gostar das
coisinhas do chão -
Antes que das coisas celestiais.
Pessoas pertencidas de abandono me comovem:
tanto quanto as soberbas coisas ínfimas." 
Manoel de Barros - Retrato do Artista Quando Coisa.

14 de fevereiro de 2013

 

"[13 de Maio] Tu perguntas se deves enviar-me os meus livros… Meu caro, te peço pelo amor de Deus, deixa-os longe do meu meu pescoço! Não quero mais ser guiado, animado e afogueado… Esse coração já fermenta o bastante por si próprio! Necessito muito antes de canções que embalem, e essas eu achei à suficiência em meu Homero. Quantas vezes tenho de ninar meu sangue revolto até acalmá-lo… Tu sabes que não existe no mundo nada tão instável, tão inquieto quanto o meu coração. Se é que tenho necessidade de dize-lo a quem tantas vezes carregou o fardo de me ver passar da aflição à digressão, da doce melancolia à paixão furiosa, meu caro! É por isso que trato meu coraçãozinho como uma criança doente, satisfazendo-lhe todas as vontades. Mas não repasse isso adiante! Há tantos que poderiam dele aproveitar-se… Há tantos seres que poderiam usá-lo contra mim!
 Goethe - Os Sofrimentos do Jovem Werther.
 
"A eternidade é a ausência ou a solução de conflitos, o ultrapassar das contradições, tanto no plano cósmico quanto no plano espiritual. É a perfeita integração do ser em seu princípio. É a intensidade absoluta e permanente da vida, que escapa a todas as vicissitudes do tempo. Para o homem, o desejo de eternidade reflete sua luta por uma vida que de tão intensa possa triunfar sobre a morte. A eternidade não reside no imobilismo, nem tampouco no turbilhão: ela está na intensidade de cada ato diário."
 Gabriel García Márquez - Doze Contos Peregrinos.

13 de fevereiro de 2013

coração



Jung certa vez contou que, em uma conversa com o cacique dos índios Pueblo, os quais visitava, lhe foi dito, a impressão que este tivera dos homens brancos. Disse que tais homens andavam sempre agitados, em busca de algo, com rostos cheios de rugas, o qual ele considerava ser um sinal de intranqüilidade eterna. Achava que os brancos eram loucos, pois pensavam com a cabeça, coisa que só gente louca faz. Quando Jung o indagou como ele pensava, respondeu-lhe prontamente: “Com o coração, naturalmente.” Jung ainda completou a história dizendo que também os gregos diziam que pensavam assim.


12 de fevereiro de 2013

alma..

 

E a sua alma? Onde acha que ela foi parar?

- Deve andar vagando pela terra como tantas outras; buscando vivos que rezem por ela. Talvez me odeie pelo mau trato que dei a ela; mas isso já não me preocupa. Descansei do vício de seus remorsos. Eu me amargava até por causa do pouco que comia, e fazia minhas noites insuportáveis enchendo-as de pensamentos intranquilos com figuras de condenados e coisas assim. Quando me sentei para morrer, ela rogou que eu me levantasse e que continuasse arrastando a vida, como se esperasse ainda por algum milagre que me limpasse de culpas. Nem tentei: “Aqui o caminho se acaba” disse para ela. “Não me restam forças para mais.” E abri a boca para que minha alma fosse embora. E ela foi. Senti quando caiu em minhas mãos o fiozinho de sangue com que estava amarrada ao meu coração. 

Juan Rulfo - Pedro Páramo

ouvir..

 

As coisas mais importantes são as mais difíceis de expressar! São coisas das quais você se envergonha pois as palavras as diminuem — as palavras reduzem as coisas que pareciam ilimitáveis quando estavam dentro de ti à mera dimensão normal quando são reveladas. Mas é mais que isso, não? As coisas mais raras, que possuem real significância, estão muito perto de onde teu segredo está enterrado, dentro do lado selvagem de teu peito, como pontos de referência para um tesouro que seus inimigos adorariam roubar. E você, pode fazer revelações que lhe são muito difíceis e as pessoas o olharem de maneira esquisita, sem entender nada do que disse nem por que eram tão importantes que você quase chorou enquanto estavas falando…. Isso é pior, acho. Quando o segredo fica trancado lá dentro não por falta de um narrador, mas de alguém que compreenda.”        
Stephen King



razão...

 

Pensai no seguinte: a razão, meus senhores, é coisa boa, não há dúvida, mas razão é só razão e satisfaz apenas a capacidade racional do homem, enquanto o ato de querer constitui a manifestação de toda a vida, isto é, de toda a vida humana, com a razão e com todo o coçar-se. E, embora a nossa vida, nessa manifestação, resulte muitas vezes em algo bem ignóbil, é sempre a vida e não apenas a extração de uma raiz quadrada!

Dostoiévski - Memórias do Subsolo

mentalidade pacífica...

 
Eu tenho uma mentalidade pacífica, meu caro! Meus desejos são: uma cabana modesta, telhado de palha, uma boa cama, boa comida, leite e manteiga; em frente à janela, flores; em frente à porta, algumas belas árvores. E, se o bom Deus quiser me fazer completamente feliz, me permitirá a alegria de ver seis ou sete de meus inimigos nelas pendurados. De coração comovido eu haverei, antes de suas mortes, de perdoar todas as iniquidades que em vida me infligiram – sim, temos de perdoar nossos inimigos, jamais antes, porém, de eles serem enforcados!

Heinrich Heine – Noites Florentinas.

 

- Sei não, Juan Preciado. Fazia tantos anos que não erguia o rosto, que me esqueci do céu. E mesmo que eu tivesse erguido, o que haveria de ganhar? O céu está tão alto, e meus olhos tão sem olhar, que vivia contente só de saber onde ficava a terra. Além do mais, perdi todo o interesse depois que o padre Rentería me assegurou que eu jamais conheceria a glória. Que nem de longe a veria… Foi coisa dos meus pecados; mas ele não devia ter me dito. Já de por si a vida se vai com o trabalho. A única coisa que faz com que a gente mova os pés é a esperança de que ao morrer nos levem de um lugar a outro; mas quando fecham para a gente uma porta e a que continua aberta é só a do inferno, mais valeria não ter nascido… 
O céu para mim, Juan Preciado, está aqui onde estou agora.
Juan Rulfo - Pedro Páramo.

Bloom....

 

Bloom: Sou pela reforma da moral municipal e dos dez mandamentos puros. Novos mundos para os velhos. União de todos, o judeu, o muçulmano e o gentio. Três acres e uma vaca para cada filho natural. Coches-fúnebres-salão a motor. Trabalho manual compulsório para todos. Todos os parques públicos abertos dia e noite. Lava-louças elétricos. Tuberculose, aluação, guerra e mendicância devem cessar já. Anistia geral, carnaval semanal, licença de uso de máscaras, abonos para todos, esperanto e fraternidade universal. Não mais patriotismo de mama-bares e impostores hidrópicos. Banhos de misturas! Dinheiro livre, amor livre e uma igreja laica livre num estado laico, livre! Livre!

James Joyce - Ulisses.

Dostoiévski

 

nós somos ridículos, levianos, cheios de maus hábitos, sentimos tédio, não sabemos olhar, não sabemos compreender, ora, todos nós somos assim, nós todos, e tanto os senhores quanto eu, quanto eles! Porque os senhores não vão ficar ofendidos pelo fato de eu estar lhes dizendo isto na cara, dizendo que somos ridículos! E sendo assim, por acaso os senhores não são material? Sabem, a meu ver, ser ridículo é às vezes até bom, até melhor: é mais fácil perdoar uns aos outros, é mais fácil fazer as pazes; não se vai compreender tudo de uma vez, não se vai começar diretamente pela perfeição! Para atingir a perfeição é preciso primeiro não compreender muita coisa! E se compreendemos muito rapidamente vai ver que não compreendemos bem.

Dostoiévski - O Idiota

11 de fevereiro de 2013

Cânticos



Tu tens um medo:
Acabar.
Não vês que acabas todo o dia.
Que morres no amor.
Na tristeza.
Na dúvida.
No desejo.
Que te renovas todo o dia.
No amor.
Na tristeza.
Na dúvida.
No desejo.
Que és sempre outro.
Que és sempre o mesmo.
Que morrerás por idades imensas.
Até não teres medo de morrer.
E então serás eterno.


Cecília Meireles

10 de fevereiro de 2013

 

"Vim cantar sobre essa terra
Antes de mais nada, aviso:
Trago facão, paixão crua
E bons rock's no arquivo
Tem gente que pira e berra
Eu já canto, pio e silvo
Se fosse minha essa rua
O pé de Ipê estava vivo
Pro topo daquela serra
Vamos nós dois, vídeo e livros
Vou ficar na minha e sua
Isso é mais que bom motivo
Gorjearei pela terra
Para dar e ter alívio
Gorjeando eu fico nú
Entre o choro e o riso"

Canto em qualquer canto - Ney Natogrosso

Não se obtêm a paz fugindo da vida, Leonard!
(Virgínia Woolf em As Horas)

5 de fevereiro de 2013

sobre a dor...

A dor não é um castigo, um Karma ou algo similar..., a dor é um pedido de socorro que vem do corpo ou da alma...
Existem dores que são naturais.., são as dores do luto...E o que morre merece ser honrado com nossas lágrimas e abençoado com nossa gratidão..., seja alguém ou um estado de coisas passado...é humano sentir esta dor..., deixe que ela cante sua tristeza até cansar..
Existe também outros tipos de dores, as dores do presente -- por exemplo, são as dores que “querem” nos restituir a inocência...
É inevitável que existam ferimentos do passado a macular nossa inocência...São ferimentos esquecidos, perdidos no tempo intra-uterino, ou até anterior a este período, do tempo dos nossos ancestrais, que impedem a plenitude à que fomos destinados e maculam a nossa inocência...Existem ferimentos familiares, como uma maldição passam de pais para filhos..., arraigados nas células...Existem ferimentos sociais, são epidemias físicas, morais, emocionais, que consomem a esperança e a fé de multidões....Para nenhuma destas dores existe cura milagrosa..., o milagre espera nossa vontade... Favor divino ou condição sine qua non da existência, o Livre Arbítrio espera nosso empenho para mudar o curso da história. No entanto mexer no que está cristalizado gera um tipo novo de dor...É aquele desconforto de um movimento novo, é aquele “deixa-pra-depois”, é o "não adianta" da criança que não quer ser responsável pela própria cura..., é a preguiça que sabota a vida dos dias...Mas se a acomodação se sobrepor a ação, a alma vai gritar ainda mais alto... Para fugir da dor que mata, há de se enfrentar a dor que muda...

Gislaine Carvalho Rodrigues

"Todo o bem que eu puder fazer, toda a ternura que eu puder demonstrar 
a qualquer ser humano, que eu os faça agora, que não os adie ou 
esqueça, pois não passarei duas vezes pelo mesmo caminho.  
(James Greene )"

3 de fevereiro de 2013

nós e as amebas...


 
" Todo mundo tem um ' eu sou menos', 'eu não sou bom o suficiente',
por algum motivo.Quando você está ali, dominado por essa 'ameba', 

você tem medo de tudo. Aí você começa a ficar com medo de se mostrar,
 de ir pra um palco, de que os outros te vejam. 
Começa a haver um medo de errar. 
Do outro lado há a crise oposta: você encontra uma amiga e vai falar mal de alguém. Quando você fala mal de alguém, você se sente superior. 
Enquanto que aquilo não passa de um entorpecente. 
Então a gente se engana que é muito bom. Mas logo vamos para o inferior novamente, porque, na verdade, eu não sou superior nem inferior, 
eu sou só eu. 
Sou do jeito que eu sou.
E, quando estamos no " eu sou o que sou ", 
essas amebas somem e você começa a enxergar as pessoas como são."
Gasparetto em " O mundo das amebas"

Osho


Olhe para a vida: você vê tristeza em alguma parte?
Você já viu uma árvore deprimida? Você já encontrou um pássaro movido por ansiedade? Já viu um animal neurótico? 
Não, a vida não é assim, absolutamente. 
Só o homem é que seguiu um caminho errado, se desviou em algum lugar, 
porque ele se considera muito sábio, muito esperto.
Sua esperteza é o seu mal. 
Não seja sábio demais. 
Lembre-se sempre de parar; não vá a extremos. 
Um pouco de tolice e um pouco de sabedoria fazem bem, 
e a combinação certa faz de você um buda...
(Osho)

calor


 

O calor é um mistério. 
Ele de certo modo nos cura e nos gera. 
Ele é quem solta o que está preso demais, propicia o movimento livre, 
o misterioso impulso de ser, o primeiro vôo das idéias novas. 
Não importa o que o calor seja, ele aproxima as pessoas cada vez mais.
( Clarissa Pinkola Estés)

delicadeza


''Demorei alguns anos para escolher pessoas
 que eu entendesse a língua que falavam. 
Mas agora sei que a única linguagem que me interessa 
é a da delicadeza. ''
Denise Portes

cansei até da minha própria brutalidade...

1 de fevereiro de 2013

da queda um passo de dança


-->
"De tudo, ficaram três coisas: a certeza de que ele estava 
sempre começando,
 a certeza de que era preciso continuar e a certeza de que seria 
interrompido antes de terminar. 
Fazer da interrupção um caminho novo. 
Fazer da queda um passo de dança, do medo uma escada, 
do sono uma ponte, da procura um encontro."
Fernando Sabino

SOBRE DIREITOS AUTORAIS

As fotos, figuras, textos, frases visualizadas neste blog, são de autorias diversas. Em alguns casos não foram atribuidos os créditos devidos por ignorância a respeito de sua procedência. Se alguém tiver
alguma objeção ou observação por favor contatar-me.
Namastê























CURRENT MOON