Era uma vez...

E como encontraram
Tal qual encontrei
Assim me contaram
Assim vos contei...

30 de julho de 2011

Panorama


Há muito tempo atrás, quando eu era bem pequena – bem menor do que sou agora..., fui com meus pais e alguns amigos deles a um passeio em Panorama. Acontece que viajávamos de trem, naquela época poucos tinham carro e viagens de ônibus eram muito mais dispendiosas. Na minha perspectiva infantil, os trens eram a coisa mais poderosa, imensa e venturosa possível... e escorregavam em seus trilhos pelo mundo inteiro...,viabilizando novas aventuras e descobertas...Portanto, enorme foi minha surpresa ao chegar próximo de Panorama, ouvir do funcionário da ferrovia – em seu brado característico:
“Paaanoraama”..., “Fiiim da linha”!!!
“Como assim "fim-da-linha", mãe!?! Eu estava chocada, tão chocada que quis ver onde terminavam os trilhos. Mas me explicaram que era o fim dos trilhos e não o fim dos caminhos....
Com o passar do tempo aprendi que por mais encantada que seja a viagem, existe sempre o “fim-da-linha”. Muitas vezes o nosso apego nos faz tentar encontrar culpados, ora somos nós, ora são os outros...Existe em nós imensa dificuldade de aceitar os ciclos e isso se deve a falta de conexão com os processos naturais...A natureza é plenamente consciente do ciclo vida-morte-vida. Aquilo que morre é matéria para aquilo que nasce...Não há culpados, não há erros, há o continuo fluir dos caminhos....Quando chegarmos ao “fim-da-linha” é hora de olhar para traz, com profunda gratidão e reconhecer a beleza de tudo que vivemos. E depois caminhar, conscientes de que se findam os trilhos, não os caminhos.... 
(gi)

SOBRE DIREITOS AUTORAIS

As fotos, figuras, textos, frases visualizadas neste blog, são de autorias diversas. Em alguns casos não foram atribuidos os créditos devidos por ignorância a respeito de sua procedência. Se alguém tiver
alguma objeção ou observação por favor contatar-me.
Namastê























CURRENT MOON