Era uma vez...

E como encontraram
Tal qual encontrei
Assim me contaram
Assim vos contei...

16 de abril de 2008

Nietzsche


Começo a fatigar-me da lassidão, sonho com um futuro longíquo e esqueço que a morte paralisante me apanhou. É prerrogativa do homem louco sonhar-se criatura fatal e pensar que rachou a história do mundo ao meio como pensei, em Ecce Homo, ter feito. Mas aniquilado fui eu e não o mundo, a natureza afugenta as idéias, mesmo as mais nobres, em benefício da simples existência animal: a vida é a sua meta, e todos os meus pensamentos são como palha fina ao vento do destino cósmico.Destituído do meu derradeiro véu da ilusão - o poder das idéias - contemplo o "vazio" com terror, mas assim mesmo me apego à vida, pois só viver me resta na destroçada paisagem do intelecto.Todo raciocínio é uma forma de decepção própria, mas em estado de euforia não consigo examinar-me e julgo possível encontrar a felicidade no reino da morte, totalmente dissolvido no Nirvana. Oh! estar vivo, vegetar estupidamente, mas assim mesmo estar vivo o calor do sol!Na ausência de todo o desejo ainda sobra o desejo de viver, mesmo que cada hausto seja agonia e a morte contenha a promessa de curar a dor. A morte está em nosso poder, mas não a vida; e como a vida nos repele agarramo-nos a ela num firme desespero, como a criança que empunha uma lâmina de aço. Agora luto pela vida com o mesmo pânico cego com que lutei nas entranhas da minha mãe, pois só pensar na existência me faz medo. Anseio, porém, por entrar na luz do dia.

SOBRE DIREITOS AUTORAIS

As fotos, figuras, textos, frases visualizadas neste blog, são de autorias diversas. Em alguns casos não foram atribuidos os créditos devidos por ignorância a respeito de sua procedência. Se alguém tiver
alguma objeção ou observação por favor contatar-me.
Namastê























CURRENT MOON