Era uma vez...

E como encontraram
Tal qual encontrei
Assim me contaram
Assim vos contei...

11 de agosto de 2009

Sobre a Paz

A criança aprende com os adultos que há formas de se defender e obter aquilo que deseja. Quando os pais ou professores ensinam que não é necessário tirar dos colegas os brinquedos, mas que é possível pedir para brincar com eles ou chegar a um acordo sobre como dividi-los, eles estão ensinando à criança estratégias sociais que podem substituir condutas agressivas. Se esse tipo de estratégia se mostrar eficaz, gradualmente a criança aprende a negociar e, se o ambiente dela (escola, família, grupo social) valorizar essa atitude, aos poucos, a conduta agressiva passa a ser menos frequente que outras formas de controlar o ambiente.
No entanto podemos verificar pelas estatísticas que a violência apenas aumentou nos últimos anos, dentro e fora da escola. Não apenas entre os alunos, mas também na relação aluno/ professor.
Isso quer dizer que definitivamente os adultos, não estão oferecendo um modelo alternativo para resolução de conflitos. Novos modelos devem ser inseridos, inclusive para que se minimize o fracasso escolar. Visto que se sabe que na criança vítima de violência o desenvolvimento cognitivo fica prejudicado.
Em um artigo a psicanalista, Maria Laurinda Ribeiro de Souza, falando sobre a violência cita uma notícia de um jornal:
"J. P. foi assaltada duas vezes na mesma semana. Ela conta: 'Fazia só uma semana que eu havia sido roubada. Por isso eu não tinha nada, estava só com o boletim de ocorrência do assalto anterior dentro da bolsa. Só que eles não me deixavam explicar.’ Quando viram o boletim, os bandidos ameaçaram matá-la. ‘Escapei, apontando outra vítima para eles." Comentando : Que a violência aterrorize e que diante de uma cena assim todos pareçam dizer: "já que não é comigo não vou me meter", que a solidariedade desapareça por um risco de se expor a própria vida, a isso já nos acostumamos! Mas, que seja necessário, para nos salvarmos, delatar outra vítima é extremamente inquietante. “
Estamos diante de um grande problema, visto que a banalização da violência faz com que não nos mobilizemos para entender e atacar as raízes da violência.
De acordo com Marilena Chauí (2000p. 417); a ideologia é um fenômeno histórico – social decorrente do modo de produção econômico. Quando em uma determinada formação social, uma determinada forma da divisão social estabiliza-se, fixa-se e repete-se, cada indivíduo passa a ter uma atividade determinada e exclusiva, que lhe é atribuída pelo conjunto das relações sociais, pelo estágio das forças produtivas e pela forma de propriedade. Esse estado de coisas, essa aparência passa a ser “natural”.
A naturalização surge sobre a forma de idéias que afirmam que as coisas são como são porque é natural que o sejam produzindo assim a alienação social; ou seja, a sociedade surge como uma força estranha e poderosa que faz com que tudo seja necessariamente como é. A indústria cultural nos bombardeia com imagens carregadas de violência, agressividade e sofrimento, nos levando a acreditar na normalidade de uma sociedade em profunda deterioração. Os meios de comunicação nos conduzem ideologicamente falando para manutenção do próprio sistema, ao mesmo tempo em que nos distrai como já fazia os Romanos: ao povo apenas pão e circo. Com tantas violências visuais, verbais, fica difícil aos educadores educar para a Paz.
“A violência é um artefato da cultura e não o seu artífice”, afirma Jurandir Freire Costa. “É uma particularidade do viver social, um tipo de ‘negociação’, que através de emprego da força ou da agressividade visa encontrar soluções para conflitos que não se deixam resolver pelo diálogo e pela cooperação”.
O Filósofo contemporâneo J. Galtung define a violência como algo evitável, que obstaculiza a auto-realização humana. O autor explica que as consequências da violência podem ser afetiva, somáticas e mentais.
Segundo o jornal Estado de São Paulo (caderno Ciência e Meio Ambiente do dia 09 de fevereiro de 2006), existem experimentos com ratos que mostram como o cérebro reage ao bullying. Cientistas que analisaram ratos grandes intimidarem os menores descobriram que o estresse causa mudanças no cérebro - uma descoberta que pode ajudar as pesquisas sobre depressão e outras doenças mentais.
É comum que as vítimas do comportamento violento ou agressivo vivenciem sentimentos de medo, vergonha, raiva e impotência que rebaixam a auto-estima; e, sendo por um prolongado período de tempo expostas à ação dos seus “espectadores”, é natural que mobilizem cadeias de construções de pensamentos, que estimulam reações como ansiedade, irritação, angústia, tristeza, melancolia, além de pensamentos de vingança e de suicídio. Tudo isso pode resultar em estresse, acompanhado de sintomatologias psicossomáticas como dor de cabeça, tontura, “branco”, sudorese, resfriamento das extremidades, boca seca, náuseas, vômito, dor de barriga, diarréias, tremores, sensações de sufocação, dores no peito, taquicardia, respiração ofegante, nervosismo, agitação, cansaço, insônia, sonolência, pesadelos e outras reações, além de transtornos psicológicos graves que poderão eclodir a qualquer momento da vida sob as mais variadas formas de violência.
É importante ainda salienta que a agressividade, também se encontra no silêncio, “no gelo”, na exclusão, na indiferença, na opressão, na retaliação – física, psicológica e em se tratando do sistema educacional, até nos resultados das avaliações.
Enfim, estamos, na maioria dos casos lidando com a violência basicamente de duas formas :
· Aceitando-a como algo “natural” ou ,
· reagindo a ela de maneira também agressiva, levantando muros de concreto e de desconfiança. Armando-nos de todas as formas, física, psicológica, material, mentalmente, etc., para “enfrentar” um mundo onde competição é mais importante que competência, onde alteridade e fraternidade são valores utópicos. É importante que se diga que não são os conflitos que devem ser eliminados, muito pelo contrário, pois são os conflitos que permitem a inovação, o que se faz necessário é forma com que a sociedade e o próprio indivíduo lida com estes conflitos.



(Gi)

SOBRE DIREITOS AUTORAIS

As fotos, figuras, textos, frases visualizadas neste blog, são de autorias diversas. Em alguns casos não foram atribuidos os créditos devidos por ignorância a respeito de sua procedência. Se alguém tiver
alguma objeção ou observação por favor contatar-me.
Namastê























CURRENT MOON