Era uma vez...

E como encontraram
Tal qual encontrei
Assim me contaram
Assim vos contei...

14 de fevereiro de 2011



"...Quando a gente está apaixonado, quando a gente experimenta a paixão, 
você quer segurar a pessoa e falar: "Fica na minha frente para eu te olhar...". 
Não precisa nem casar, é só olhar, é só olhar...". 
Tenho um poema em que eu acho que dei conta de falar isso, "A Terceira via":
Meu espírito - que é o alento de Deus em mim - te deseja
pra fazer não sei o que com você.
Não é beijar, nem abraçar, muito menos casar
e ter um monte de filhos.
Quero você na minha frente, extático
- Francisco e o Serafim, abrasados -,
e eu para todo o sempre
olhando, olhando, olhando...
Então eu acho que o Céu..., 
quando a gente fala em experiência de mística, 
da alegria inefável dos santos, isso está no olhar... 
Então, você chega no Céu: "agora descansa, pára o mundo que eu vou olhar a face divina!".
Então, nem precisa casar mesmo, pode parar aí, que já está no Céu.
Eu acho que a poesia é isto: porque ela é algo que se mostra, 
eu acho que a poesia é um fenômeno que realmente escapa ao poeta; 
ele, coitadinho, é um proletário da coisa, um operariozinho, 
um operário braçal. Então, há uma coisa, algo, algo, algo quer se mostrar...
E, para mim, a poesia é isto: aquilo que precisa ser visto, se mostrar, naquele momento."

ADÉLIA PRADO

SOBRE DIREITOS AUTORAIS

As fotos, figuras, textos, frases visualizadas neste blog, são de autorias diversas. Em alguns casos não foram atribuidos os créditos devidos por ignorância a respeito de sua procedência. Se alguém tiver
alguma objeção ou observação por favor contatar-me.
Namastê























CURRENT MOON